16 agosto 2017

Corpo são, mente insana

Quando nosso corpo adoece vamos ao médico, fazemos exames, tomamos remédio, buscamos ajuda. Se o rim inflamar, se o estômago estufar, se a cabeça doer, se o braço inchar, não há um ser humano sobre a Terra que não procure ajuda médica.
Contudo, não é apenas nosso corpo que adoece. Nossa mente e nossas emoções também. A diferença é que, quando surge a depressão, as crises de ansiedade, o estresse, geralmente não procuramos ajuda médica. Quando a doença se manifesta em nosso emocional, sumariamente a ignoramos – de um modo que jamais ignoramos as doenças que se manifestam em nosso corpo.
Acontece que somos uma sociedade extremamente materialista. Não acreditamos em nada que não possa ser pesado, medido, avaliado, encaixotado, comprovado, rotulado, tocado. Se eu não vejo, não existe.
Daí por que tantas doenças emocionais passam despercebidas: seu diagnóstico é mais sutil, suas feridas são imperceptíveis ao olho nu. Uma tomografia pode mostrar um tumor no estômago, mas qual tomografia pode indicar um tumor nas emoções?
Deste modo, tanto o doente quanto a família do doente passam a tratar a doença emocional como algo menor. Se descobrem um câncer, todos se comovem e se mobilizam; mas se descobrem uma depressão, a comoção e a mobilização caem para um terço. Sendo que, não raramente, a depressão mata mais do que o próprio câncer.
Resultado: somos uma sociedade doente vivendo como se fosse saudável. Uma sociedade que cuida do corpo com obsessão, mas negligencia totalmente suas emoções. E dá-lhe desequilíbrio, sofrimento, loucura generalizada.
Corpo são, mente insana.
É impossível viver com um rim doente. A dor, a febre e o desconforto impediriam qualquer um de fazer qualquer coisa. Do mesmo jeito, é impossível viver com as emoções doentes.
Porque a dor, a febre e o desconforto emocionais também são paralisantes, incapacitantes e potencialmente fatais.

14 agosto 2017

Maratona Literária

Nossas crianças são como sementinhas: precisam ser plantadas, regadas, protegidas e tratadas com todo amor e cuidado, para que possam nascer e florescer como cidadãos.
E a literatura é o melhor adubo para o plantio de cidadãos conscientes, inteligentes e, acima de tudo, humanos. Pois são os livros que nos ensinam a pensar com autonomia; são os livros que nos tornam intelectualmente independentes; que nos libertam da ignorância que machuca, cega e acorrenta.
Um país sem leitores é um país sem cidadãos.
Assim, esta última semana foi muito especial para mim, e para a Editora Os Dez Melhores também.
Porque, através de uma parceria muito bacana com o Sesc, pude visitar cinco escolas públicas aqui de Carazinho, e conversar com essa gurizada que é o futuro do nosso Brasil querido e judiado, tentando provar para eles que a literatura não é chata não; que a literatura é nossa amiga, nossa aliada, nossa guardiã.
A literatura é a chave que abre a porta desta cela na qual estamos todos encarcerados.
Eu acredito que plantamos uma sementinha promissora nesta semana que passou – uma sementinha que, não demora, vai nascer, crescer e florescer.
Mas saibam que vocês, queridos alunos, também plantaram uma sementinha em mim. Uma sementinha de esperança; de crença em um amanhã diferente, novo, bonito, mais colorido, mais vibrante. Mais feliz.
Um amanhã onde seremos donos de nossas próprias opiniões, e onde enxergaremos muito além dos muros altos que apenas servem para separar nossos quintais.
Estão plantadas as sementes, e eu sei que elas não demoram a brotar.
Afinal, o amanhã logo vem. 

Foto: Fernão Duarte.
Veja mais fotos da Maratona Literária clicando aqui.

07 agosto 2017

Maratona Literária!

Previsão do tempo para esta semana: não importa!
Pode chover, pode esfriar, pode esquentar, ventar ou nevar: será a semana mais linda de todo o calendário!
Porque, em parceria com o Sesc, eu participarei de uma maratona literária em cinco escolas de Carazinho, ministrando a nova versão da minha velha palestra, A Literatura Não é Chata!
Começa amanhã e termina só sexta-feira.
Ou seja: AGUENTA CORAÇÃO!

Confere a agenda:
Dia 08/08, 8h e 19h30: Escola Estadual Marquês de Caravelas
Dia 09/08, 8h: Escola Estadual Érico Veríssimo
Dia 09/08, 14h: Escola Estadual Cônego João Batista Sorg
Dia 10/08, 10h30: Escola Municipal Doutor Piero Sassi
Dia 11/08, 8h: Escola Estadual Manuel Arruda Câmara